sexta-feira, 27 de junho de 2008

São João 2008 - Segundo Dia

No dia anterior, programamos de acordar cedo para fazer um passeio a Itacaré, mas após uma festa junina é quase impossível. Eu e Rosinha conseguimos acordar às 7:00h e logo encontramos uma forma educada de acordar os demais: fizemos um suco usando o liquidificador (a idéia deu certo). Mesa pronta, tomamos um café digno de hotel brasileiro e seguimos para Itacaré.

Antes de pegar a estrada, paramos no Chocolate de Ilhéus, uma lojinha de chocolate caseiro, dizem muito bom (e caro). A cidade de Ilhéus fica localizada na costa do cacau, uma região que ficou famosa pelo cultivo do fruto. Infelizmente a vassoura de bruxa tomou conta das plantações e o interesse pelo cacau diminuiu muito. A boa notícia é que a ceplac encontrou um combatente orgânico para a vassoura de bruxa. Ilhéus foi cenário inspirador para a novela Renascer (aquela que Marcos Palmeira ficava pisando cacau; lá na loja tinha a miniatura da fazenda) e para muitos romances de Jorge Amado (Gabriela, Jubiabá, dentre outros).

Finalmente seguimos a caminho da famosa Itacaré. A estrada parecia um tapete de tão arrumada e era emoldurada por uma paisagem muito bonita, os morros e as praias. É claro que paramos no caminho, no mirante de Serra Grande e tiramos várias fotos de tirar o fôlego (Flávio já havia perguntado pela moqueca de camarão umas 05 vezes). Após aproximadamente 01 hora de estrada, chegamos a Itacaré.

Sei que esperam que eu diga maravilhas do lugar, mas é uma cidade como outra qualquer com praias como outra qualquer. Optamos pela praia da Ribeira. É uma região ótima para o surf, por isso a fama. Rosinha, Alexandre, Alê e Flávio ficaram curtindo a sombra dos coqueiros, tomando uma gelada, enquanto eu e Rafa pegávamos jacaré (pegar onda sem prancha). Cada onda cavernosa, umas tão grandes que a única solução era mergulhar; a sorte é que Rafa é meu salva-vidas particular, então segurei na mão dele e não larguei por nada. Após nossa saída, Rosinha e Alexandre resolveram tomar uns caldos (pegar onda) também. Não conta pra ninguém, mas Alê e Flávio fugiram do banho. Flávio perguntou pela moqueca mais umas 05 vezes.

Uma vantagem de Itacaré é que a praia é fresquinha e cheia de sombra dos coqueiros. A outra vantagem é um banho gelado de rio para tirar o sal do mar. E foi isso que fizemos, mas é claro que Alê e Flávio fugiram do banho de rio também.

Pegamos a estrada de volta. A idéia era parar em Itacarezinho (dizem que é muito bonito), mas como o restaurante estava fechado e Flávio já havia perguntado pela moqueca mais umas 05 vezes, resolvemos ir para a cachoeira do Tijuípe. Ótima escolha! De cara ficamos encantados com a paisagem, muito linda! Muitos banhos gelados, um medinho daquela água escura e funda... Rosinha logo tomou coragem e soltou a corda de proteção, indo de encontro a Alexandre. Aí veio a pressão psicológica de Rafa:
- Não é possível, eu sou seu marido, ex-bombeiro, salvavidas e você não vai confiar em mim?
- Da corda eu não largo, com frio
- Venha, eu te seguro
- Vou não
- Isso vai dar separação (cara de decepção)
- Tá bom, mas venha me buscar (fui e voltei de macaquinho)
Flávio foi o fotógrafo oficial do evento (pra escapar do banho). Alê ainda arriscou olhar a cachoeira lá de cima(mas nada de banho também). O difícil foi tirar Rafa e Alexandre da água, mas conseguimos.

Após o delicioso banho de cachoeira, fomos pesquisar o preço da tal moqueca. Muito cara! (R$52,00 para 02 pessoas), então resolvemos ir pra casa e comer uma macarronada com frango que a diarista tinha preparado para nós no dia anterior. Uma delícia! (Flávio teve pesadelos com camarões atacando ele)

Após o almoço, uma parada para um merecido descanso. À noite fomos para o São João de Ilhéus. Já ouviram dizer que "para dançador ruim forró nenhum presta"? Pois é, depois de um dia desses o forró ficou fraquinho. Os meninos decidiram provar a xoxotinha fora de casa, mas tiveram uma grande decepção. Xoxotinha é uma bebida a base de Vódica e groselha, então imaginem que eca! A xoxotinha não fez efeito, por isso comemos uns sanduiches e voltamos pra casa.

Terceiro dia... centro histórico e comércio de Ilhéus, Cristo, praia dos milionários, moqueca, aniversário de Rosinha e noite de São João. Aguardem...

Imagens
Chocolate de Ilhéus: Gabriela e Nacif (eu e Rafa); fazendinha Renascer; frente da loja (eu, Rafa, Alexandre, Alê e Flávio).
Mirante: vista para o morro; vista para a praia (Alê e Flávio).
Ribeira: Eu e Rafa; Flávio, Alê, Rafa, Rosinha e Alexandre.
Tijuípe: Rosinha e Alexandre (Rafa, Alê e Flávio ao fundo); Cachoeira (Rosinha, Alexandre, Rafa e eu).

6 comentários:

Alexsandra Moreira disse...

Tenho q concordar, Flávio só pensava nos camarões. Deveríamos ter comido camarão no primeiro dia, assim estaríamos livres de ouvir "Vamos comer camarão?" a todo momento.eheheheheheh

Em relação ao banho, a água estava tão gelada que eu fiquei com medo...rsrsrsr

bjão

Alexandre M. Lima disse...

Interessante você ter pesquisado na internet e encontrado até site pra localidade de Serra Grande. Juro que não sabia que tinha, e olhe que eu frequento aquila região toda desde pequenininho...

Geova Costa disse...

Alê, se ele não insistisse nos camarões o que teríamos para resenhar? Esse negócio de frio, sei não, é desculpa...

Xande, o que o google não achar, ninguém mais acha. ehehe. Estou esperando o lado B seu e de Rosinha.

Alexsandra Moreira disse...

Ahhhhhhh, não esqueçamos dos devaneios antes do almoço no restaurante, todos com fome, falando bobagens a milhão... (coiasas do tipo: pessoas bêbadas com assas)uahuahauha
Fala sério.
Kd Rosinha?

Sofifaruk disse...

Olá Geova,

Que paisagens lindas!!!
Não conheço nada do Brasil...espero um dia vir a conhecer.

Beijo

Sofia

Geovana disse...

Pois é Sofia, foi por essas terras que os portugueses se encantaram e quando vieram e era ainda mais bela e rica. Se vier aqui na Bahia vai encontrar muito da sua terra (Portugal) e vai ser bem-vinda. Quando vier, avise-nos e venha para a Bahia. Aqui é o berço onde esse intercâmbio começou.