segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Um dia de Cão

Sábado fizemos um passeio em família para Barra do Jacuípe, estrada do Coco, Bahia. Levamos as fofuchas Branca e Suse e, claro, foram o sucesso da praia. Nesse passeio tive duas certezas: A primeira é que a Bahia é a melhor terra do mundo, ainda que eu não conheça o mundo todo. A segunda certeza é que o sol e a natureza tornam o ser humano melhor, mais feliz e tolerante.

Barra do Jacuípe é uma das prais mais aconchegantes do Litoral Norte. A foz do rio Jacuípe se encontra com o mar, proporcionando uma área para esporte aquático e deliciosos banhos de mar e rio. Os barraqueiros colocam as cadeiras com sombreiro à beira da foz e as pessoas curtem o sol enquanto se banham ou observam os filhos brincarem. Uma área de mangue pode ser vista e admirada.

Cheguei no local meio desconfiada, procurando uma mesa mais afastada para não incomodar os banhistas, mas Suse logo achou uma sombra embaixo de uma mesa e fez sua primeira amizade. Pensei: Tive sorte, é aqui que vou ficar. Passados alguns minutos, Suse já havia conquistado toda a praia, visitado todas mesas, recebido afagos de todos e chamado a atenção das crianças. Branca, por ser mais recatada e mais velha, levou um tempo para fazer amizades. Todos aceitaram com carinho a visita das cadelas à praia. Nesse momento tive certeza que o problema não são os animais que incomodam, mas a infelicidade e o stress das pessoas que as tornam amargas. Sol, cerveja, peixe frito e família reunida; claro que ninguém via problemas ou se aborrecia.

Para fazer um passeio desses é preciso alguns cuidados: Manter os animais vermifugados, vacinados e bem tratados; fazer um passeio antes de chegar na praia para garantir evacuações fisiológicas e evitar meleira na praia; ir munida de jornal e saco plástico para alguma eventualidade, afinal não se pode abusar da hospitalidade. Também é importante dar água para que o animal no desidrate.

Banho de mar, corrida, água de coco e muita amizade fizeram um dia especial para todos nós, principalmente para Branca e Suse.

Imagem: http://www.bahia-online.net/encanto-jacuipe.htm

3 comentários:

Sonhos de Crochê disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sonhos de Crochê disse...

Oi Geo,
Estive afastada por uns dias. Minha mãe se foi e a dor não me deixava voltar ao "normal". Nem podia, muita coisa para por em ordem. Quando voltei ainda fiquei sem vontade de falar qualquer coisa. Mas lí seu blog e chorei com a oração da manhã. Precisamos nos dar conta também que o tempo é agora... prestar mais atenção ao que acontece ao nosso redor, coisas pequenas que passam desapercebidas, o sol, o vento nos cabelos, o sorriso de nossos entes queridos, as flores, etc., etc....
Beijos

Geo disse...

Oi Rita

Sinto muito. A perda de alguém querido é algo insubstituível, mas o tempo nos ajuda a aceitar a morte. Tenho certeza que em sua lembrança e de suas filhas ela estará sempre viva.
Beijos com carinho,
Geo.