terça-feira, 13 de outubro de 2009

9 – A Salvação

Ontem à noite eu e Lú fomos ao cinema e escolhemos um desenho, 9 – A Salvação. Apesar de ser animação, não é filme pra criança. O conteúdo é filosófico, o tema principal é a destruição da raça humana pelas máquinas e o cenário não é nada colorido ou engraçado.

Um cientista cria uma máquina baseada na sua própria mente que seria originalmente utilizada para a evolução tecnológica no mundo. O Chanceler resolve utilizar a máquina para construir outras máquinas de guerra, que causam o fim da raça humana.

No cenário apocalíptico surgem seres pequenos, feitos de saco de alinhagem que lutam pela vida uns dos outros. Cada um possui um número. O número 01, líder do grupo, é medroso e mantém os demais escondidos. Quando o 02 começa a questionar, ele o manda para morrer. A chegada do 09, também questionador, leva o grupo a buscar respostas e querer salvar o companheiro 02.

Nessa busca, muito sobre filosofia é deixado nas entrelinhas. A máquina destruidora é feita baseada unicamente na mente do cientista que a criou, ou seja, a mente humana. Por não ter alma, a máquina, é facilmente corrompida, permitindo-se ser utilizada para o fim da raça humana. Para salvar a humanidade, o cientista coloca a própria alma à disposição, que ganha vida em pequenos seres, do 01 ao 09, cada um com características peculiares: Medo, Coragem, Determinação, Percepção, Inteligência, Força, Amor ao próximo e Gratidão.

O Medo afasta a Coragem, mas ele só dominará o ser enquanto não existir o amor ao próximo e a gratidão. O amor ao próximo e a gratidão, associado à determinação e inteligência poderão recuperar a coragem perdida. Com coragem é possível salvar o mundo do caos que a mente corrompida causou, mas para isso é preciso prestar atenção nos sinais da percepção. Na luta constante entre o certo e o errado, o medo tornar-se coragem e a alma vence a mente.

Somos feitos de mente e alma, a mente sem a alma é reduto frágil para a corrupção. No mundo cada vez mais voltado para o consumo exacerbado da tecnologia e dos bens materiais, é preciso buscar as qualidades da alma humana. A busca da alma só é possível unindo qualidades inerentes do nosso ser com o amor ao próximo. Essa foi a minha visão do filme, não posso afirmá-la como verdade, mas é o que a minha mente e minha alma perceberam. Viagem total!

3 comentários:

Luciana Guimarães disse...

Nooossaaa!!! Ainda bem que te levei comigo, pois nunca ia achar tudo isso sozinha!!! huahuahauhau... Hoje eu vi Bastardos Inglórios. Que dia podes ir novamente? bjoo

Geovana disse...

Eehheeh... tem certeza que ainda quer ver filme comigo? Vamos sim... Bjo.

Rosi disse...

Menina
Sabe que quando fui assistir a noiva cadáver fiquei me questionando se os produtores realmente queriam que aquele filme fosse para crianças. Eu mesma me assustei com algumas cenas....

Aproveito para convidá-la a conhecer o novo layout do Mundinho e de quebra participar da Promoção.
Estou te esperando.
Bjs