quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Desabafo

Sabe por que nós, mulheres, estamos envelhecendo cada dia mais cedo? Sabe por que precisamos de hidratantes anti-idade cada dia mais jovens? E por que temos tantos problemas para ovular e tantos casos de aborto espontâneo? Digo sem nenhum apoio científico, apenas por observação, que nós estamos carregando o mundo nas costas e esse peso nos empurra para baixo. Quando não o suportamos, nos sentimos a pior da espécie e nos perguntamos como a colega ao lado consegue ser tão perfeita e nós não.

Quando resolvemos dividir nossa vida com um homem, somos obrigadas a nos adaptar para que, o machismo implantado pelas mães deles, não estrague o relacionamento. Temos que vestir roupas "apropriadas", não malhamos mais o gluteo pra não colocar o bumbum pra cima na academia, não olhamos para os lados para evitar os acessos de ciúmes, arrumamos a casa, o filho e as roupas do marido e depois de tudo isso devemos estar lindas e cheias de tesão para recebê-los. Saibam que a culpa não é deles, é nossa pois implantamos nos nossos filhos esses conceitos e não nos impomos diante de nossos companheiros, achando que não podemos viver sozinhas.

Quando resolvemos ser solteiras e bem decididas, ficamos com o vazio da alma, nos achando uma mulher incompleta por não ter conseguido "capturar um macho". Mais um peso implantado por nós. Devemos parar de nos culpar e aproveitar a vida de solteira. São os homens que devem nos conquistar, nunca o contrário. Ter independência, arrumar a casa, sair com as amigas para fofocar, paquerar, dançar e curtir a vida nos faz felizes e a felicidade nos faz lindas. Então podemos, se desejarmos, olhar para os lados e, dentre os pretendentes, escolher aquele que pode nos proporcionar o companheirismo desejado, sabendo que ambos estão juntos por escolha e nunca por dependência.

Saibamos dosar nossa vida, aproveitá-la e buscar sempre o nosso bem estar. Aprendamos dizer não a tudo o que nos restringe ou nos faz mal. Saibamos buscar o que nos interessa e dividir com o mundo as responsabilidades que ele nos impõe. Sejamos felizes.

Leiam esse texto de Danuza Leão. Eu recebi de uma mulher decidida e passo aqui:

"
EU ME RENDO

Quantas mentiras nos contaram; foram tantas, que a gente bem cedo
começa a acreditar e, ainda por cima, a se achar culpada por ser
burra,
incompetente e sem condições de fazer da vida uma sucessão de
vitórias e felicidades.

Uma das mentiras:
É a que nós, mulheres, podemos conciliar perfeitamente as funções
de mãe,
esposa, companheira e amante, e ainda por cima ter uma carreira
profissional brilhante.

É muito simples: não podemos.

Não podemos; quando você se dedica de corpo e alma a seu filho
recém-nascido, que na hora certa de mamar dorme e que à noite,
quando devia estar dormindo, chora com fome, não consegue estar
bem sexy quando o marido chega, para cumprir um dos papéis
considerados
obrigatórios na trajetória de uma mulher moderna: a de amante..

Aliás, nem a de companheira; quem vai conseguir trocar uma
idéia sobre a poluição da Baía de Guanabara se saiu do trabalho e
passou no supermercado rapidinho para comprar uma massa e um molho
já pronto para resolver o jantar, e ainda por cima está deprimida
porque não teve tempo de fazer uma escova?

Mas as revistas femininas estão aí, querendo convencer as
mulheres - e os maridos - de que um peixinho com ervas no forno com
uma batatinha cozida al dente, acompanhado por uma salada e um
vinhozinho branco é facílimo de fazer - sem esquecer as flores e as
velas acesas, claro, e com isso o casamento continuar tendo aquele
toque de glamour fun-da-men-tal para que dure por muitos e muitos
anos.

Ah, quanta mentira!

Outra grande, diz respeito à mulher que trabalha; não à que
faz de conta que trabalha, mas à que trabalha mesmo.
No começo, ela até tenta se vestir no capricho, usar sapato de salto
e estar sempre aquiada; mas cedo se vão as ilusões. Entre em qualquer
local de
trabalho pelas 4 da tarde e vai ver um bando de mulheres
maltratadas, com o cabelo horrendo, a cara lavada, e sem um pingo do
glamour - aquele - das executivas da Madison.

Dizem que o trabalho enobrece, o que pode até ser verdade. Mas
ele também envelhece, destrói e enruga a pele, e quando se percebe a
guerra já está perdida..

Não adianta: uma mulher glamourosa e pronta a fazer todos os
charmes - aqueles que enlouquecem os homens - precisa,
fundamentalmente, de duas coisas: tempo e dinheiro.

Tempo para hidratar os cabelos, lembrar de tomar seus 37
radicais livres, tempo para ir à hidroginástica, para ter uma
massagista tailandesa e um acupunturista que a relaxe; tempo para
fazer musculação, alongamento, comprar uma sandália nova para o
verão, fazer as unhas, depilação; e dinheiro para tudo isso e ainda
para pagar uma excelente empregada - o que também custa dinheiro.

É muito interessante a imagem da mulher que depois do
expediente vai ao toalete - um toalete cuja luz é insuportavelmente
branca e fria, retoca a maquiagem, coloca os brincos, põe a meia
preta que está na bolsa desde de manhã e vai, alegremente, para uma
happy hour.

Aliás, se as empresas trocassem a iluminação de seus
elevadores e de seus banheiros por lâmpadas âmbar, os índices de
produtividade iriam ao infinito; não há auto-estima feminina que
resista quando elas se olham nos espelhos desses recintos.

Felizes são as mulheres que têm cinco minutos - só cinco -
para decidir a roupa que vão usar no trabalho; na luta contra o
relógio o uniforme termina sendo preto ou bege, para que tudo
combine sem que um só minuto seja perdido.

Mas tem as outras, com filhos já crescidos: essas, quando
chegam em casa, têm que conversar com as crianças, perguntar como
foi o dia na escola, procurar entender por que elas estão
agressivas, por que o rendimento escolar está baixo.

E ainda tem as outras que, com ou sem filhos, ainda têm um
namorado que apronta, e sem o qual elas acham que não conseguem
viver. Segundo um conhecedor da alma humana, só existem três coisas
sem as quais não se pode viver: ar, água e pão.

Convenhamos que é difícil ser uma mulher de verdade;
impossível, eu diria.

Parabéns para quem consegue fingir tudo isso.... (Danuza Leão)"

2 comentários:

Sonhos de Crochê disse...

Vocês duas. Danuza e você devem estar falando de mim não é? Aquela que nem sei quando "pensou" que era a mulher maravilha. Linda na solteirisse, casou! Foi aí que a ilusão se despedaçou. Vinte e quatro horas eram pouquíssimas, precisava de mais algumas, umas poucas, pra dar conta da vida profissional, doméstica e.... a sexual. Achei pouco: tive filho, ou melhor filhos. Aí sim o caldo entornou. Como cuidar de um bebê e do resto? E o marido cobrando: você não liga mais pra mim! Como sair linda, se antes eu tinha de arrumar o bebê e levá-la a creche, pegar um outro ônibus... Bom dia! eu não entendia o que isso queria dizer, eu nem tinha dormido ainda. Nem vou contar o que tinha e ainda tenho de fazer quando chego em casa depois de um dia de trabalho ... é melhor não! Vocês não entenderiam. Ou entenderiam quando vissem postada a minha foto atual. Esquecí de algo? Sim de mim. Não dava pra cuidar de tudo. Não é um lamento, ou uma reclamação é um ALERTA! Não se deixem de lado, nunca!!!!!!!! Não sou mais magra como antes, minha pele tem algumas manchas, minhas unhas só estão arrumadas em épocas festivas e as sobrancelhas? Estas só no Revellion quando minha cunhada me obriga a sentar (isso depois de terminarmos todos os preparativos da festa). Mas...ninguém diz pra você como é difícil, trabalhoso e preoculpante ser mãe, esposa, profissional, dona-de-casa e MULHER! Não que não tenha lado bom, tem sim. Mas fazer tudo isso funcionar é preciso ser muito, mas muito MULHER, porque outro ser não conseguiria, enho certeza!No mais é olhar revistas de mulheres lindas, magras, glamurosas e pensar, com o dinheiro que tenho sou assim, imagina se tivesse mais... seria o bicho, não ia dar certo!!!!!!!!!!!!
Beijos

Geo disse...

Gostei da finalização... linda por ser mulher. Na verdade, Rita, cada uma de nós se vê em alguma parte dos textos. Em muitos casos falei de mim mesma e estou me policiando pra não querer ser, novamente, a mulher maravilha. Resgate aos poucos seu lado menos responsável e mais vaidoso, nem o capitão Nascimento aguentou a luta, uma hora temos que parar e respirar.
Beijos.