quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Atentos à Dislexia

Esses dias, por coincidência, tenho visto artigos e filme falando sobre a dislexia. Vi um artigo na revista escola, em um consultório médico; o filme Seu Lugar, que passou em supercine e um artigo na internet que é o site oficial do livro sobre o assunto. O bom é que eliminei um certo tabu sobre o assunto; eu achava que disléxico era quem trocava letras em uma palavra, mas é mais que isso.

A dislexia é uma dificuldade em aprender escrita, leitura, soletração, dentre outros. Diz-se que a causa é genética e em cada 10 crianças em sala-de-aula 02 são disléxicas, ou seja, muito mais comum do que imaginamos.

Ser disléxico, simplesmente, não é um problema. A questão está em como estas pessoas são tratadas pelos pais e professores. Muitos sequer identificam a deficiência e rotulam a criança de burra, desatenta ou preguiçosa. É claro que a criança terá vergonha de aprender, ler em público e se manifestar sobre a dificuldade, até ela acreditará ser burra sem ser.

Que tal se eu disser que Tom Cruise (ator), Agatha Christie (autora), Thomas Edison (inventor), eram diléxicos? Que tal saber que o disléxico desenvolve bem as áreas criativas do cérebro? Alguns dizem que é uma forma de suprir a deficiência, mas o bom é que podem desenvolver este lado criativo muito importante.

No filme, a moça que era sempre chamada de burra e rebelde, ganha o apoio de um paciente que quer ouvi-la lendo, ele até diz que é bom que ela leia devagar, pois será melhor para ele assimilar. Fazer com que a criança leia em voz alta é um bom treino para ela suprir a dificuldade. Ajudar sem criticar e elogiar quando for melhorando. Nunca é tarde para começar a tratar a dislexia.

Como desconfiar se a criança é disléxica (sim, porque saber mesmo só com um profissional)
- Na primeira parte da infância:

• Atraso no desenvolvimento motor;
• Atraso na deficiência na aquisição da fala;
• A criança apresenta ter dificuldade de entender o que está ouvindo;
• Distúrbios do sono;
• Chora muito e parece inquieta ou agitada, entre outros.

- A partir dos sete anos de idade:

• Lentidão ao fazer os deveres escolares;
• Interrompe constantemente a conversa dos demais;
• Só faz leitura silenciosa;
• Tem grande imaginação e criatividade;
• Tem mudanças bruscas de humor;
• Letra feia;
• Dificuldade com a percepção espacial;
• Confunde direita, esquerda, em cima, em baixo; na frente, atrás;
• Troca de palavras;
• Tolerância muito alta ou muito baixa à dor;
• Dificuldade de soletração e leitura;
• Inventa, acrescenta ou omite palavras ao ler e ao escrever, etc.;

Então amigo, se você tem filhos faça uns testes, observe-os lendo, escrevendo, soletrando. Veja se eles têm vergonha de ler em público e se apresentam os sinais acima citados. Se é professor e identificar, ainda que remotamente, a dificuldade, solicite ajuda de um especialista. Façamos um mundo de crianças mais felizes.

Fontes de pesquisa:
1. http://revistaescola.abril.com.br/edicoes/0209/aberto/mt_267788.shtml
2. http://www.dislexia.com.br/#
3. http://www.brasilescola.com/doencas/dislexia.htm

3 comentários:

Alexsandra Moreira disse...

Poxa Geo, identifiquei meu filho nesse perfil... Estou fazendo de tudo para isso mudar, ele já chegou a fazer várias sessões com uma fonoaudióloga e chegou a melhorar, mas acabou saindo por falta de tempo...

Ele é muito inteligente, mas preguiçoso, desatento, troca letras, come letras, escreve no meio da palavra com letra maiúscula e por ai vai. As notas são na média porque eu pego muito no pé dele.

Apesar de já ter ouvido falar na dislexia não tinha associado a ele. Irei buscar orientação.

bj

Sonhos de Crochê disse...

Que bom voce falar sobre isto. As vezes acontece que alguns pais é que têem vergonha das dificuldades apresentadas por seus filhos e com isso não conseguem ver o que realmente está acontecendo com eles. Temos que estar atentos e não apenas cobrar resultados. Se a nota não está boa, verifique qual a dificuldade ... se não quer ir a escola pergunte, assunte sobre o motivo. E se está tudo bem, elogie e muito!
bjs
Rita

Geovana disse...

Alê, ainda que não seja a dislexia ele pode, sim, ter alguma dificuldade de concentração de leitura e isso o afasta dos estudos. Toda criança gosta de aprender, cada uma do seu jeito.

É isso aí Rita, estamos atentos e não cobrarmo apenas resultados. Temos que colaborar.

Beijos.