quinta-feira, 30 de agosto de 2007

A vaidade feminina

Esses dias o destino me obrigou a perceber que eu posso viver sem assistir a globo, embora esteja sentindo falta das besteiras de Olavo e Bebel. Nessa ida a outro canal, assisti o programa de Márcia que falou sobre um tema muito interessante: Mulheres que se sentem objetos masculinos ou que se descuidam para tentar irritar os seus maridos. As mulheres que estavam lá, assim como muitas mulheres casadas da nossa sociedade, não se arrumavam e nem se cuidavam porque não tinham o carinho nem a atenção dos maridos. Diziam que quando elas se arrumavam o marido não notava, que não conversava com elas ou demonstravam qualquer atenção. Essas mesmas mulheres disseram que os maridos solicitavam que elas se arrumassem melhor e até davam roupas mais ousadas para que elas vestissem. Uma delas se sentia objeto porque o marido gostava de exibi-la como bela. Elas chegavam a dizer que não gostavam de se arrumar, que não gostavam de usar saia, salto ou vestido. Então Márcia fez uma pergunta que demonstrou bem o sentimento da mulher: - Você precisou se arrumar para aparecer no programa. Gostou da experiência? É claro que as mulheres disseram que gostaram da experiência.

A mulher se desarruma pra provocar os seus maridos, como uma punição pela falta de atenção e carinho. O homem se sente desmotivado a procurar a esposa que está bem diferente daquela gatinha linda que conheceu e deixa a mulher de lado. Diante desta bola de neve, quem sai perdendo mais? O homem que sai e procura outra na rua ou a mulher que fica cada dia mais feia, mais desinteressante, deprimida, triste e sozinha? É claro que quem mais sai perdendo nisso tudo é a própria mulher.

Imagine se a mulher trocar as horas em frente à TV, largadona, por uma hora de academia. Se for uma vez por semana tratar a unha, escovar ou pintar o cabelo. Se trocar aquela calça velha por uma mais justinha ou um vestido longo? O marido logo irá se perguntar o que a fez mudar, vai observá-la e passar a olhá-la com os olhos que o fez se apaixonar. Ela vai se sentir poderosa e feliz. Quem sai ganhando? Os dois, principalmente a própria mulher.

Então faço aqui mais uma campanha:

- Se você é mulher, comece ainda essa semana a fazer uma atividade física, jogue algumas roupas velhas fora e se puder compre novas, vá ao salão e faça algo novo no visual.

- Se você é homem e acha que sua gata está precisando melhorar diga a ela que a ama de qualquer jeito e vai amá-la sempre, mas que gostaria de vê-la mais produzida e que ela cuidasse mais da saúde fazendo atividade física.

Tudo depende da maneira como falamos e agimos. Boas palavras e gestos atraem boas atitudes.

3 comentários:

Sonhos de Crochê disse...

Passei por situação semelhante, viva uma história onde não era a protagonista. Casei, tive filhas, construí casa, tudo isso trabalhando fora também. Além da parte financeira ter contribuído muito, o rumo que minha vida tomou, só trabalho, trabalho, trabalho... Certa vez passei pelo espelho e o que ví foi uma mulher estranha, não era feia, era estranha. Ainda passei um tempo pensando, planejando, decidindo e...dei um BASTA! Melhorou, mas os anos de figurante me deixaram um ranso que ainda me pego com os "vícios" daquela vida. Mas hoje eu tomo conta de mim novamente. Pinto o cabelo, faço unha, me arrumo mais, me pinto... me sinto melhor, muito melhor. Meu marido anda enciumado, minhas filhas dizem que estou mais linda. Mas o que importa mesmo é que cuidando de mim novamente, do exterior, o interior é que saiu ganhando.
Beijos,
Rita

Geo disse...

É isso mesmo Rita, também quase me vi assim. Comecei um relacionamento malhada, bronzeada e linda. Fui sedendo aos ciúmes do meu marido e quando vi até ele já estava reclamando, com jeitinho, mas reclamando. Voltei a malhar, pintei o cabelo, troquei o guarda-roupa e vou ao salão sempre que tenho um tempinho. Isso faz muito bem a nós mesmas.

Eliane Carmanim lima disse...

Oi Giovana,
Queria te dar os parabéns pelo site e agradecer a resposta no yahoo respostas.( sobre como eu faço um cadastro, etc). Na realidade eu estou fazendo uma pesquisa, mas queria que as pessoas pudessem ter acesso a alguns dados.
Muito obrigada.Um abraço,
Eliane